Este ano, 2012, Hatsumi Sensei, o grão-mestre da Bujinkan, escolheu como tema a ideia de Kaname (要), Em Português, é traduzido como: “cerne”, “essência”, “eixo” ou “ponto vital”. Um exemplo simples de kaname pode ser a dobradiça da porta que tem uma espécie de ferrolho que passa por ela. Este ferrolho (vara de aço) é o kaname. Puxe para fora este parafuso e suas portas vão cair. É o ponto vital que mantém tudo junto.

Ao longo dos anos Hatsumi Sensei ensinou e mostrou muitos princípios e ideias, mas esta ênfase nas partes essenciais parece amarrar todo o material anterior junto, permitindo-nos concentrar no que é realmente importante no nosso taijutsu. Na verdade, pareceu-me que esta maneira de olhar para o nosso Budo por si só é um ponto crítico!

Tudo tem um kaname e, quando se trata da prática de artes marciais, essa idéia de encontrar e utilizar o “kaname” ou “ponto vital” é essencial.

Existem 3 kaname principais que Hatsumi Sensei vem destacando:

間合いの要 “Maai no Kaname”

空間の要 “Kukan no Kaname”

動きの要 “Ugoki no Kaname”

Essas três áreas nos dão diversos conceitos cruciais para trabalhar o que facilitará um entendimento mais profundo, assim como capacidade funcional em nosso treinamento de arte marcial. Serei capaz de dar um sentido geral sobre, mas uma compreensão mais profunda só pode vir de prática direta.

* Claro, todas essas três áreas são integradas. Assim, não é possível isolar ou entender um desses três kaname sem entender e o usar os outros.

1. 間合いの要 Maai no Kaname – O Ponto Vital da Distância

É óbvio que em uma luta a distância é frequentemente flutuante e, claro, temos que aprender a sermos eficazes em todas as distâncias. Entretanto, a primeira distância (ou fundamental) é aquela quando a nossa “zona de segurança” é comprometida.

No Budo Japonês há um ditado que diz:

肉を切らせて骨を断つ

“Deixe seu oponente cortar sua carne de modo que possa cortar seu osso!”

Estar nessa distância, onde pode cortar o osso do adversário, enquanto o mesmo meramente corta sua carne, é dizer que você está perto o suficiente para ser cortado!

Hatsumi Sensei falou sobre escrever a vida em um lado do papel e a morte do outro lado e a distância entre essas duas palavras, vida/morte, é chamada de kami hitoe, 紙一重.

(a espessura de uma única folha de papel, como se diz em português: por um fio de cabelo”).

Este é o limite de vencer ou perder. Esta distância *primária/fundamental é “Ma-ai no Kaname – 間合いの要

Como Nagato Sensei, um dos meus instrutores, gosta de dizer: “Esteja em uma distância onde seu oponente acredita que pode alcançá-lo, mas, na verdade, está apenas um pouco fora de seu alcance”. Embora mudanças de distância dependam do tamanho da arma e oponente, o resultado final é o mesmo.

*Sobre a mecânica de como fazer, escrevi em um artigo anterior chamado “Shinnenjutsu” (controle da mente que é sobre nossas percepções e como controlar a percepção de outra pessoa). Vale a pena rever este material e relembrar os detalhes aprendidos.

2. 空間の要 Kukan no Kaname – O Cerne do Kukan

Existem muitas traduções possíveis da palavra Kukan (japonês). Para nosso propósito, vamos considerar a ideia de “forma do espaço através do tempo”. Esta definição nos permite olhar para um movimento ou técnica, momento-a-momento, se desenrolando no tempo. Um exemplo simples seria rastrear uma espada enquanto é movimentada por um espadachim.

Imagine o oponente na sua frente com uma espada sobre a cabeça. Se olhar para todos os caminhos possíveis para capturar a espada (tem um alcance de 360° em opções), como ela se movimenta até chegar em seu corpo, pode pegar a ideia de forma de espaço através do tempo.

Obviamente, até poder determinar qual dessas direções usar para tomar a espada, não quer colocar seu corpo em nenhum dos caminhos possíveis. Quer se mover para um local “seguro”. Isso pode ser praticado com um soco, um chute, qualquer tipo de arma. Basta lembra que cada arma tem suas características únicas, então vai querer estudar como a arma pode ser usada e como o corpo da pessoa muda de forma durante seu uso, assim pode começar a antecipar o que provavelmente virá a seguir, permitindo que se posicione apropriadamente na “forma do espaço” ou kukan.

Outro aspecto que este kaname nos faz estudar é a estrutura do corpo humano e como o mesmo pode gerar força. Então, você pode ajustar o corpo dos oponentes o suficiente para tirar sua habilidade de gerar força sem fazer muitas coisas em suas estruturas para que não se sintam compelidos a reagir violentamente.

Como exercício, tenha alguém em sua frente com uma postura onde possa socar um aparador com força total, então sem que lhe permita mover os pés, desloque os ombros e os quadris deixando-os desalinhados (um com o outro). Veja como um curto movimento leva a diminuir sua capacidade de ataque de forma bem significativa. Entender quais formas precisa para gerar força, como tirar a habilidade do oponente de gerar força é também “Kukan no Kaname”.

3. 動きの要 Ugoki no kaname – A Essência do Movimento

Escondendo seus movimentos

Então, já começou a marcar a distância, já começou a enxergar vários padrões que emergem no kukan, agora nós temos que aprender a se mover nesse Kukan para controlar adequadamente a distância. Embora pareça fácil, achará que uma vida inteira de movimento habitual é necessária e torna isso ainda mais desafiador.

Deixe-me perguntar algo óbvio, se telegrafar seus movimentos para o seu oponente, acha mesmo que ele deixaria você executar estes movimentos nele? Claro que não! E mais, todos nós temos movimentos inconscientes, movimentos habituais “preparatórios” que telegrafam nossas intenções para os adversários.

Faça o exercício e verá o que quero dizer:

Fique na frente do espelho com seus pés em posição neutra, próximos um do outro, vendo sua cabeça no espelho. Então, dê um passo para a frente com o pé direito. Note como a parte superior do seu corpo movimenta-se para esquerda. Na direção oposta de onde você quer ir?! Este é nosso jeito de caminhar habitual. Toda vez que dá um passo, tem um movimento preparatório de troca que telegrafa sua intenção para o oponente.

Deve estar claro que nós precisamos nos mover de uma forma que não telegrafamos nossas intenções. Embora prender como usar o corpo sem telegrafar nossas intenções possa ser ensinado somente ao vivo, brinque com esta simples forma de caminhar: fique em pé com os pés juntos, em seguida, coloque todo o peso em uma das pernas, mantenha esta posição, de repente (sem mover seu corpo na direção oposta) levante o pé e deixe-o cair. Só precisa ser um pequeno passo caindo para o lado. Rapidamente, perceberá um movimento preparatório inconsciente usado para dar o passo. Obviamente, está relacionado ao nosso trabalho de pés, é preciso esconder nossa intenção de caminhar para que, em combate e pelo tempo, nosso oponente perceba nosso movimento tarde demais.

A direção mais fácil para começar é praticar para os lados, depois para frente e, finalmente, para trás. A medida que faz, vai começar a ver que pode mover-se sem primeiro deslocar o peso e alertar o adversário. Vai conseguir ser capaz de mover na direção que quer mudar, não para o OPOSTO em primeiro lugar.

Shiho Dori

Conectado com a habilidade de esconder a intenção é a habilidade de mover-se para o ângulo correto quando se tenta aplicar uma técnica ao oponente.  Alguns estão familiarizados com 四方取りshiho dori, “4 formas de tomar ou capturar” de Kukishin Ryu. Entretanto, o conceito de Shiho Dori em si, como foi ensinado para mim, tem uma forma amplamente aplicável.

A maioria de nós está familiarizada com a ideia de linha fraca ou “ponto do triângulo” como retratado a esquerda. Se desejar uma linha entre os pés do Uke e, em seguida, desenhar uma linha perpendicular a mesmo, terá a linha fraca. Outro método seria fazer um triângulo com os pés do uke, sendo dois pontos os pés e um ponto ao longo da linha fraca, como o terceiro ponto. No entanto, isso não é importante, a informação que lhe dá sobre a estrutura de alguém e como leva-la para baixo é o que é. Por uma razão mecânica muito simples este conceito funciona. O Uke não tem nada para ajudá-lo a se reestruturar ao longo da linha fraca. Claro, só é verdade quando não há conexão entre você e ele.

Linha Fraca ou Ponto do TriânguloEntretanto, se EXISTE uma conexão entre você e seu Uke (vamos dizer que você o agarre com as duas mãos na gola do gi), então a “linha fraca” muda para algo mais, o shiho dori, como retratado no gráfico abaixo.

Agora, quando falo sobre a conexão entre você e o seu Uke, não significa meramente tocá-lo, mas ter uma conexão forte o suficiente onde ele contando com seu suporte. Pode ser na forma de colocar seu peso sobre ele ou, do ponto de vista oposto, você poderia suporta-lo parcialmente. De qualquer maneira, a conexão tem que ser de tal forma que ele não possa continuar atacando sem primeiro reajustar sua estrutura. Você, como o tori, deve ser capaz de liberar-se imediatamente e mover-se em qualquer direção. Depois de entender como manipular a estrutura dos corpos humanos (lembre-se Kukan no Kaname), achará mais fácil ter mais e mais controle sobre o corpo do Uke neste momento. Quando é capaz de ter uma conexão na qual pode manipular o ombro de seu Uke, coluna e quadris, enquanto ele não é capaz de gerar força em sua direção e você está livre para gerar força, mover-se em qualquer direção, então tem um ponto zero.

Shiho DoriQuando chegar neste ponto, então, e só então, as linhas do Shiho Dori aparecem. Estas linhas são matematicamente precisas. Eles são difíceis de encontrar no treinamento porque estão constantemente mudando com o movimento e o posicionamento do Uke e Tori. Se pode imaginar que está sendo posicionado como no gráfico acima mostra, pode começar a ter uma ideia de onde precisa se mover. Não importa a direção que o Uke ou Tori estão olhando, uma vez que tem a conexão do ponto zero, essas linhas estão lá. Para derrubar o Uke facilmente, precisa caminhar/cair por essas linhas, para frente ou para trás. Ambos, você e seu Uke, devem mover-se ao longo dessas linhas – com precisão. Geralmente, o fulcro de sua conexão é mover-se acima destas linhas.

Denovo, sem orientação direta em como aplicar o princípio da Shiho Dori, parece confuso. Entretanto, melhora drasticamente seu taijutsu, uma vez que aprende a implementar Shiho Dori, fará se sentir feliz, sorrindo para qualquer coisa!

Pressiona-Pulsa-Pressiona (Press-Pulse-Press)

Possivelmente, o mais divertido do ugoki no kaname, este conceito de “Pressiona-Pulsa-Pressiona” ou “PPP”, será imediatamente reconhecido a qualquer pessoa que tenha passado algum tempo treinando com Hatsumi Sensei.

A idéia básica é o seguinte: você aplica uma técnica em seu adversário (por uma questão de simplicidade, vamos dizer omote gyaku), coloca tensão suficiente para obter uma resposta do seu Uke (‘Pressiona’), quer sob a forma de ele começar a resisti-lo, quer ele tentando livrar seu pulso para fugir do bloqueio. Assim que sente, de repente, você remove a força de sua pegada e deixa cair simultaneamente em um leve agachamento (‘Pulsa’).

Esta rápida perda de pressão (que o seu Uke estava usando para manter sua estrutura) fará com que seu Uke oscile com perda de equilíbrio. Sem esperar pelo mesmo para recuperar a sua posição, coloque a tensão de volta para o gyaku (‘Pressiona’) como se move em uma das quatro direções – sem telegrafia!

Se for feito corretamente, seus oponentes cairão no chão. Normalmente, caem rindo porque não conseguem entender por que caíram, desde que não force-os para baixo. (Por isso digo que este é o mais divertido dos kaname, você despertará um monte de sorrisos quando começa a usar essa ideia em seu treino).

É o que Hatsumi Sensei quer dizer quando fala sobre “chikara no kata nuki”, o método de remover força.

* Eu propositadamente deixei de lado alguns detalhes na descrição acima, uma vez que deve realmente ser sentida para ser compreendida e uma descrição detalhada levaria muitas páginas para explicar! Basta dizer que cada uma dessas peças leva várias horas de explicação, para poder entender as ideias claramente em sua mente e fisicamente fazê-las à vontade, leva muito mais tempo…

Claro que existem muitas outras maneiras de olhar para a ideia de Kaname, algumas mais diretas e algumas até mais esotéricas. Tentar quantificar tudo é inútil, mas essas ideias particulares têm sido incrivelmente úteis para ajudar as pessoas a verem e compreenderem o taijutsu de Hatsumi Sensei, também seus principais instrutores no Japão, e o que estão fazendo.

Finalmente, não leve muito sério essas coisas, nas palavras de Hatsumi Sensei “Divirta-se!” (Play!)

Rob Renner

2012

Título Original: 要 – Kaname
Autor: Rob Renner (Bujinkan Zeropoint Dojo)
Fonte: http://zeropointbujinkan.com/2012/05/要-kaname

Thank you very much for sharing with us Rob Renner! It is wonderful!

Traduzido por: Pedro Henrique
Tradução Autorizada pelo Autor
* Por favor, qualquer falha, deixe-nos saber para a correção.

Advertisements