Li um conto muito interessante sobre a prática das artes marciais e a Faixa Preta na Internet. Como praticante de artes marciais não pude deixar de me identificar e apreciar os profundos ensinamentos desse conto. Não conheço o autor, nem o texto original do conto, mas gostaria de repassar com minhas palavras o mesmo, pois tenho certeza que pode lhe ser útil. Se souber o autor (a), por favor, não deixe de comentar neste post para que possa lhe dar os devidos créditos e até agradecê-lo (a).

O reconhecimento como Faixa Preta é um momento único e dos mais bonitos na vida do praticante de artes marciais! No entanto, existe muita confusão sobre o real significado da Faixa Preta. Por exemplo, existiram e existem ainda várias artes marciais que foram originadas no Japão. Estas artes marciais foram originadas em diferentes localidades e épocas, embora no mesmo país, consequentemente, nasceram sob diferentes condições. Muitas pessoas pensam que todas são iguais na forma de pensar e conduzir sua disciplina apenas porque são disciplinas originadas no mesmo país. Não é verdade. A cultura dos Cariocas não é a mesma que a dos Paulistas, embora ambos sejam Brasileiros, por exemplo. Artes originadas em Okinawa em uma determinada época (hoje parte do Japão) não seguem a mesma filosofia e forma de pensar de artes originadas nas regiões de Koga e Iga em outra época (também Japão), seria um outro exemplo.  Sem contar o senso comum de que a Faixa Preta seria uma patente…

Treinamento

Imagine o momento em que um praticante de artes marciais de muitos anos se ajoelha em frente ao Sensei (Mestre), em uma cerimônia de graduação para a faixa preta que foi obtida com muito suor, mas muito suor mesmo. Não falo de um exame ocorrido na cerimônia, memorização de técnicas, decisões de combate momentâneo ou algo desse tipo. Claro que tudo isso faz parte, mas o exame/teste para o reconhecimento vai muito além. Depois de anos de treinamento incansável, repetições, conflitos sociais, a luta diária para uma vida equilibrada e a realização de seus sonhos, o aluno finalmente chegou ao auge no êxito da disciplina.

– “Antes de lhe reconhecer como Faixa Preta, você deve passar por mais um teste”, disse o Sensei.

– “Estou pronto”, respondeu o aluno com o coração firme. Talvez estivesse esperando por um último combate ou mesmo pela exibição de outra técnica.

– “Você tem que responder a uma questão essencial”, disse o Sensei e continuou…
– “Qual é o verdadeiro significado da Faixa Preta?”, perguntou.

– “O fim da minha jornada”, responde o aluno sem hesitar e continuou…
– “Uma recompensa merecida por meu bom trabalho”.

 O Sensei ficou reflexivo. Ainda não satisfeito. Por fim, falou ao aluno:

– “Você ainda não está pronto. Continue e voltaremos a este passo daqui a um ano.”

Um ano se passou e novamente o aluno se ajoelha em frente ao Sensei.

– “Qual é o verdadeiro significado da Faixa Preta?”, perguntou novamente o Sensei.

– “Ela significa a excelência e o nível mais alto que se pode atingir em nossa arte.” responde o aluno, já não tão certo de sua resposta.

Novamente, muito reflexivo o Sensei não disse nada por vários minutos. Ainda faltava algo. Por fim, falou ao seu aluno:

– “Ainda não está pronto para a Faixa Preta. Continue no caminho e voltaremos em mais um ano”.

Mais um ano se passou, o aluno se ajoelha novamente em frente ao Sensei e mais uma vez o Sensei pergunta:

– “Qual é o verdadeiro significado da Faixa Preta?”.

– “A Faixa Preta representa O COMEÇO, o início da jornada sem fim de disciplina, trabalho e a busca por um padrão cada vez mais alto.”, responde o aluno.

– “Sim! Agora está pronto para receber a Faixa Preta e iniciar o seu trabalho!” respondeu o Sensei.

"Nunca seja um professor. Quando você é um professor, seu Budo morre. Seja sempre um estudante e nunca pense que você é bom." - Masaaki Hatsumi Soke
“Nunca seja um professor. Quando você é um professor, seu Budo morre. Seja sempre um estudante e nunca pense que você é bom.” – Masaaki Hatsumi Soke

É sobre o início, não sobre o fim. É sempre importante ser honesto consigo mesmo e buscar perceber que tem sempre mais a aprender independente do grau que alcançou nessa evolução. Não importa o quanto se esconda por trás de títulos, histórias verdadeiras e falsas para pessoas, alunos etc. Não importa o quanto tente manipular a informação para satisfazer os próprios desejos dentro de um castelo de areia. Nada disso importa.

Não se trata de falta de autoconfiança. Reconhecer limites e saber que existe muito mais do que se sabe é maduro, e muito pelo contrário, está totalmente conectado com autoconfiança e coração tranquilo. Continue firme no caminho (keep going!)!

武風一貫
(Bufu Ikkan)
(mantenha-se consistente no método)

Pedro Henrique
Bujinkan Shidoshi
2014


 

Advertisements