Qualquer pessoa que tenha treinado com Hatsumi Sensei por um longo período de tempo vai entender o quão difícil pode ser seguir o Soke. Há muitas contradições aparentes em seus ensinamentos e estes ensinamentos levam a muitos caminhos em uma tentativa de capturar a arte que o Soke está passando… Especialmente porque não há nenhum programa de certificação codificada que se pode recorrer como garantia.

Como Hatsumi Sensei é um artista consumado, professor da arte e sua aplicação na vida real, temos de olhar para todo o “pacote” de nosso treinamento com ele no contexto de como as coisas funcionam na natureza ou mundo real. Em nosso mundo moderno, com fácil acesso a grandes quantidades de informação, tornou-se cada vez mais difícil diferenciar o útil do desperdício. Como podemos saber o que é bom? Esta é a lição de Hatsumi Sensei e para “entender”, você tem que ser capaz de entender várias ideias concorrentes em sua mente ao mesmo tempo.

Muitos têm falado sobre a maneira de Hatsumi Sensei como não tendo nenhuma estrutura, mas é realmente a estrutura sem estrutura. Neste artigo, quero dar-lhe uma possível maneira de olhar para o treinamento com Soke, e se você puder abrir sua mente o suficiente, pode te dar uma ferramenta em sua viagem.

Faça o que ele DIZ:

Começando com o mais simples e mais óbvio: você deve realmente fazer as coisas que ele diz para fazer. Se você visitar Soke 2 ou 3 vezes por ano, vai ouvir algumas das mesmas mensagens mais e mais. “Eu estou ensinando aos 15º dan”, “Deixe de lado a sua força” etc. Algumas destas coisas são de pouca aplicação direta ou estão abertas à interpretação. Mas, muitas vezes, Soke virá a público dizer-nos o que temos de trabalhar para melhorar o nosso taijutsu.

Por exemplo, ele está sempre falando sobre o condicionamento do corpo para ser flexível e fluído, desenvolvendo a capacidade para mover cada segmento de seu corpo por si só. Ele demonstra sua capacidade mexendo suas orelhas, bem como ser capaz de se sentar no chão e colocar o pé atrás de sua cabeça! Muitas dessas coisas são quase evidentes, mas muitas vezes as pessoas não levam a sério e não gastam o tempo necessário para desenvolver essas habilidades. Assim, no nível mais básico, basta fazer o que ele diz!

NÃO faça o que ele DIZ:

Na sociedade japonesa as formas de passar informação e ensinar são muitas vezes diferentes do modelo da sociedade ocidental. No ocidente, esperamos nossos professores dizerem diretamente o que precisamos fazer para “chegar ao ponto”, por assim dizer. Mas na cultura japonesa, nem sempre acontece desta forma. O professor chama a atenção para coisas que refletem o ponto do que estamos tentando fazer, ele não nos indica diretamente.

Acontece regularmente no treinamento do Hombu que Soke peça a alguém para mostrar uma técnica que todos possam fazer e que dá ao Soke um ponto de partida para ensinar. Normalmente, ele mostra umas poucas vezes, e em seguida, prossegue para ilustrar conceitos ou princípios importantes. Mas, às vezes, ele pede a essa pessoa para voltar e repetir o movimento mais e mais. Dizendo coisas como “preste a atenção em seus pés, ninguém está movendo seus pés da mesma forma ou observe a distância, a distância é muito importante”.

Claro que você poderia pensar que ele está dizendo a todos quão bom ou correta é a técnica desta pessoa, às vezes, dizendo mesmo o quão boa é essa pessoa, mas geralmente ele está tentando permitir que a pessoa (que está demonstrando) corrigir seu próprio movimento ineficiente. Fica claro quando, depois de deixar tentativas por vários minutos, Soke finalmente ensina o movimento, movendo-se para o lado oposto da pessoa que demonstrou ou tomando uma distância completamente diferente.

Falei com alguns amigos que tiveram esta situação no dojo com Hatsumi Sensei e todos perceberam que ele estava os ensinando indiretamente e treinando o resto de nós para desenvolver os “olhos” para ver corretamente.

Por isso, é importante ver tudo que Hatsumi Sensei diz “nos mínimos detalhes” (N.T.: a expressão original usada pelo autor foi “Grão de Sal” e é uma expressão americana que representa “ver tudo com olhar crítico” ou certo “ceticismo”), como diz o ditado. Não necessariamente porque ele está propositalmente tentando te enganar, mas por causa da lição mais profunda que pode estar por trás de suas palavras. É o princípio da Kyojitsu Tenkan Ho.

FAÇA o que ele FAZ:

Isso soa tão simples. Claro que é natural tentar replicar o que está sendo mostrado em uma aula, então vá e dê o melhor de sua capacidade nisso. Tente replicar exatamente o que ele está mostrando. Normalmente, não será possível, mas se você acabou de dizer automaticamente “é o Soke e eu não posso fazer isso” ou “isso não é realista, eu faria isso”, está perdendo a uma grande oportunidade de aprendizado. Não faça o que você já pode fazer bem!

Não há problema em aceitar que você não é capaz de replicar exatamente o que Soke tem feito, nem ele mesmo pode replicar! Mas é no esforço para replicar que esse entendimento surge.

NÃO faça o que ele FAZ:

Depois de ter praticado tentando replicar com o melhor de sua capacidade, você vai começar a encontrar os limites em seu método. Então, na próxima, tente capturar a essência do que ele faz. Descubra o ponto-chave ou “Kaname” e tente integrá-lo em sua situação particular, trabalhando com seu parceiro. Em seguida, tome esse ponto-chave e veja quantas vezes ele é aplicável no resto de seu treinamento, fora do Hombu. Se Soke está demonstrando 力を抜く (o princípio de, de repente, abandonar a tensão muscular), levantando o cotovelo sob a axila de seu Uke, segurando-o no alto por um momento, em seguida, rapidamente caindo, mas você não consegue entrar nessa posição com seu Uke, então deve encontrar um local alternativo para empregar o mesmo princípio. Assim, não faça o que ele está fazendo…

FAÇA o que ele COSTUMAVA FAZER:

“Não é como o Soke chegou ao ponto onde ele está agora, você tem que passar pelo mesmo treinamento que ele fez para chegar onde ele está agora”. Eu já ouvi isso um milhão de vezes, e em certa medida, é verdade. Há um processo de desenvolvimento de competências que é necessário para sequer compreender conceitos progressivamente maiores, mais difíceis. Nosso progresso vai do simples ao complexo, treinamento mais difícil ao mais suave, do óbvio ao sutil. Se você tentar tirar essas coisas da sequência, terá lacunas na sua capacidade e será forçado a voltar para o início e reaprender, forçando o processo a levar muito mais tempo do que originalmente teria.

Assim, aprender o processo que ele passou (ele e os seus melhores alunos vão te dizer), em seguida, certificando-se de cobrir as mesmas áreas que ele praticou, irá ajudá-lo em seu caminho para a capacidade na arte de Hatsumi Sensei.

NÃO faça o que ele COSTUMAVA FAZER:

Quando Hatsumi começou seu treinamento ninja, não havia manual de treinamento. Nós todos vimos os pergaminhos e suas traduções, tendo os professores japoneses para explicá-los a nós, não há pedagogia clara e concisa escrita nos pergaminhos. É claro que Hatsumi Sensei teve de “descobrir” (ele disse exatamente esta mesma coisa em várias ocasiões).

Em todo o processo de descoberta como ele fez, é inevitável que haverão ideias ou métodos de treinamento que são eficazes e alguns que não são tão eficazes. Tudo o que estudou evoluiu, assim os métodos de 40 anos atrás podem não ser os mais eficientes. Existem muitas crenças e opiniões sobre a melhor forma de alcançar. Você deve ter tempo para descobrir quais são as melhores abordagens de treinamento enquanto estuda as pessoas que personificam os resultados que você deseja alcançar. Assim, ignorando alguns dos obstáculos envolvidos em descobrir um sistema praticamente a partir do zero.

FAÇA o que seus melhores alunos FAZEM:

Alguns anos atrás, Hatsumi Sensei deixou claro ao mundo quem são seus melhores alunos designando-os como 四天王 “Shitenno” e chamando-os de “verdadeiros shihans”. Algumas pessoas não ficaram felizes com os quatro nomes que ele escolheu, acreditando que seu professor deve realmente estar nessa lista. Mas é a lista do Soke e ele, de forma rígida, em muitas ocasiões nos sugeriu que todos precisamos treinar com todos os 4 deles, a fim de entender melhor sua arte. Cada um deles refletem um profundo entendimento, por vezes único, da arte de Hatsumi e pode demonstrar claramente a sua capacidade de esse entendimento! Isso não quer dizer que todos serão capazes de treinar com todos os 4 sempre, mas certificando-se de gastar tanto tempo quanto precisa para ser capaz de demonstrar o seu entendimento do que eles ensinam. Obviamente, com o passar do tempo, teremos cada vez menos chance de realmente treinar com esses quatro professores…

NÃO faça o que os seus melhores alunos FAZEM:

Tal como acontece com a repreensão acima, não leve tão a sério o que o Soke diz, você também precisa treinar com pessoas que não acompanham necessariamente Soke de tão perto. Uma coisa interessante aconteceu poucos anos atrás, enquanto muitos de nós estavam no Hombu, falando após a aula em que Soke estava apontando repetidamente os maus hábitos de um instrutor em particular que estava lá naquele dia. Não da maneira sutil, como mencionado acima. Desta vez, Soke estava falando diretamente, dizendo coisas como:

– “Esta pessoa tem muitos maus hábitos em seu taijutsu e está passando esses maus hábitos para os alunos que treinam com ele”.

Isto é incomum e representa uma quantidade considerável de agitação do Söke.

Então, lá estávamos nós depois da aula falando, quando um dos estudantes japoneses afirma que iria perguntar ao Hatsumi Sensei porque ele permite que esta pessoa ensine no Hombu se ele sente tão fortemente que a pessoa está passando informação perigosa. Eu pensei que ele estivesse brincando e que já esqueceria. Na semana seguinte, quando vi meu amigo japonês, ele me disse:

– “Eu perguntei ao Hatsumi Sensei a questão da semana passada”.

Levei um momento para lembrar do que ele estava falando, e em seguida, lembrei.

– “Você está brincando!”, eu disse.

– “O que ele falou?”.
(Agora, a resposta realmente resume a dificuldade em tentar aprender a arte de Hatsumi Sensei)

– “Ele disse que quer que haja maus professores, de modo que todas as pessoas descubram por conta própria como dizer: bom taijutsu ou mau…”.

Graças a essas perspectivas diferentes, terá um “tempo” um pouco mais “fácil” tentando seguir as ações “aparentemente” caprichosas do nosso grão-mestre.

Boa sorte em sua jornada!
Rob Renner
2012

Título Original: Practicing the Art of Soke Hatsumi
Autor: Robert Renner (Bujinkan Zeropoint Dojo)
Fonte: http://zeropointbujinkan.com/2013/02/practicing-the-art-of-soke-hatsumi

Thank you very much for sharing with us Robert Renner!
Traduzido por: Pedro Henrique

* Este trabalho de tradução visa auxiliar praticantes que entendem a língua portuguesa. Também visa ajudar na difusão dos princípios fundamentais do Budō Taijutsu ensinado pelo Soke e os entendimentos dos instrutores em todo mundo. Como regra geral, tento sempre que possível aproximar ao máximo do original escrito, superando assim, as barreiras da tradução. Antes de efetuar o trabalho, os autores são consultados para obtermos a devida autorização. Por ser um trabalho humano, pode conter falhas de tradução. Dessa forma, se encontrar alguma, por favor, nos encaminhe pelos comentários. As opiniões expressas pelos autores são de sua inteira responsabilidade.

* The goal of translation of this post is to assist martial artists who understand Brazilian Portuguese. It also aims to assist in disseminating the basic principles taught by Soke of Budō Taijutsu with support of Bujinkan instructors worldwide. As a general rule, I try whenever possible to approximate to original writing, thus overcoming the barriers of translation. Before performing the work, authors are consulted to obtain their permission. Naturally, it can contain mistakes. Therefore, if you find any, please comment to us below. The opinions expressed by the authors are their own responsibility.

* El objetivo de la traducción de este post es para ayudar a los artistas marciales que entienden el portugués de Brasil. También tiene como objetivo ayudar en la difusión de los principios básicos impartidos por Soke del Budo Taijutsu con el apoyo de los instructores de la Bujinkan en todo el mundo. Como regla general, intento siempre que sea posible a la aproximación a la escritura original, superando así las barreras de la traducción. Antes de realizar el trabajo, los autores son consultados para obtener su permiso. Naturalmente, puede contener errores. Por lo tanto, si usted encuentra alguna, por favor, comente con nosotros abajo. Las opiniones expresadas por los autores son de su exclusiva responsabilidad.

Advertisements